“Farewell” de Yann Gibert | Who Galeria, Lisboa | 22 de Setembro das 20h às 24h

Farewell de Yann Gibert

Não gosto de voar. Todo o processo até chegar ao assento de um avião deixa-me desconfortável. Revejo vezes sem conta se não me esqueci do passaporte e do bilhete da viagem. Torna-se obsessivo. Penso sempre que me esqueci da escova de dentes e da roupa íntima inferior. Torna-se ridículo. Sou alvo de escrutínio físico quando tenho de afastar os braços e as pernas para ser revistada. Torna-se constrangedor. E, quando embarco, nunca percebo se chego ou se parto.

Conheci o trabalho artístico de Yann Gibert no Hospital Júlio de Matos e senti que todas as suas chegadas foram partidas ao mesmo tempo. Menos esta última. Farewell, a próxima performance de Yann Gibert (nascido em Lyon e exilado, por opção própria, em Lisboa desde 2005) a ter lugar na Who Galeria, em Lisboa, contará uma última história.

Para o espaço físico da Who Galeria irá ser trasladado o espaço doméstico que Yann habita na Rua dos Remédios, em Alfama. São 12m² de eus, de procuras, de desencontros, de afinidades, de desilusões, de esperanças, de contemplações que o visitante – sem nunca se ter apercebido da existência de Yann, sem nunca se ter cruzado com ele nas labirínticas ruas de Lisboa, sem nunca ter trocado sequer um gesto, uma palavra, uma ideia – poderá levar consigo como forma de o relembrar. São pertenças sempre fugazes para quem sempre chega e sempre parte. Livros comprados ou emprestados mas nunca lidos, músicas de CDs gastas em modo “repeat”, roupas que roçam um corpo que nos é desconhecido, sapatos que percorreram caminhos que só um estrangeiro conhece, mesmo sendo “nós” os, orgulhosamente, de cá. São bens imóveis que Yann poderia armazenar numa mala e levar com ele para a próxima partida, ou chegada. Mas quem chega e quem escolhe Portugal como opção não deveria nunca poder partir sem que a sua presença fosse notada ou deixada.

O visitante, ao levar da Who Galeria os bens de Yann, estará logo à partida a descobrir afinidades, analogias, que nunca foram partilhadas. São histórias que ficaram por contar, gostos em comum que ficaram por expressar. Já é tarde.Yann Gibert está de partida; ou então de chegada para aqueles que o conheceram tarde demais. Consigo não levará nada. Só assim agem aqueles que nunca “chegaram” a partir.

Cláudia Camacho

Farewell

de Yann Gibert

22 de Setembro | 2011 das 20h às 24h

Who Galeria

Rua Luz Soriano, 71

Bairro Alto | Lisboa


About this entry